Feminismo negro e interseccional em debate no próximo dia 12 em Recife

Dando sequência a temática dos dilemas e da luta enfrentada pelas mulheres por uma sociedade mais justa que desconsidere a centralidade da questão racial, o Sindicato dos Servidores do Ministério Público de Pernambuco (Sindsemp/PE) promove no próximo dia 12, mais uma sessão do clube de leitura com explanação em torno do livro “Mulheres, Raça e Classe”, escrito pela filósofa americana, Angela Davis. O encontro é aberto ao público e acontece às 18hs, no auditório do Sindicato, à rua Visconde de Suassuna, 114, em Santo Amaro.

A conversa será mediada pela comunicóloga baiana, Larissa Santiago, que é especialista em publicidade e atua na área de produção de conteúdo onde coordena as atividades do site Blogueiras Negras. A jovem também é articuladora da organização “Negras Jovens Feministas” e da “Rede de Ciberativistas Negras”.

 

Considerado um clássico sobre o feminismo negro e interseccional, a obra, a mais importante da autora, traça um poderoso panorama histórico e crítico das imbricações entre as antigas lutas anticapitalista, feminista, antirracista e antiescravagista, passando pelos dilemas contemporâneos da mulher. A perspectiva adotada por Davis realça o mérito do livro: desloca olhares viciados sobre o tema em tela e atribui centralidade ao papel das mulheres negras na luta contra as explorações que se perpetuam no presente, reelaborando-se.

O reexame operado pela escrita da ativista mundialmente conhecida é indispensável para a compreensão da realidade do nosso país, pois reforça a práxis do feminismo negro brasileiro, segundo o qual a inobservância do lugar das mulheres negras nas idéias e projetos que pensaram e pensam o Brasil vem adiando diagnósticos mais precisos sobre desigualdade, discriminação, pobreza, entre outras variáveis. Grande parte da nossa tradição teórica e política (Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, para citar poucos exemplos) insiste em confinar as questões  tratadas por Davis na esfera privada, como se apenas desta proviesse sua solução.

Mulheres, raça e classe foi publicado originalmente em 1981, ou seja, há 35 anos, e só em 2016, a publicação foi lançada no Brasil pela editora Boitempo que realizou uma edição bastante cuidadosa, com prefácio de Djamila Ribeiro e tradução de Heci Regina Candiani.

Angela Davis é professora emérita do departamento de estudos feministas da Universidade da Califórnia e ícone da luta pelos direitos civis. Como ativista, integrou o grupo Panteras Negras e o Partido Comunista dos Estados Unidos. Foi presa na década de 70 e ficou mundialmente conhecida pela mobilização da campanha “Libertem Angela Davis”. Foi candidata à vice-presidente da República em 1980 e 1984. Autora de vários livros, sua obra é marcada por um pensamento que visa romper com as assimetrias sociais.

 

SERVIÇO:

ENCONTRO DO CLUBE DE LEITURA

Livro: Mulheres, Raça e Classe

Exposição: Comunicóloga, Larissa Santiago, coordenadora do site Blogueiras Negras (http://blogueirasnegras.org/)

Quando: 12 de abril (quinta-feira)

Horário: 18hs

Local: auditório do Sindicato dos Servidores do Ministério Público de Pernambuco, na av. Visconde de Suassuna, nº 114, em Santo Amaro.

 

 

 

 

Compartilhar: