Ciclo de debates traz discussões sobre a valorização do trabalho no serviço público

Alberto Ledur criticou a Reforma Trabalhista e defendeu a contratação através do concurso público

O “Desmonte do Estado Social e as relações de trabalho no setor público” foi o tema central do ciclo de debates realizado no dia 19 de junho, no auditório do Centro Cultural Rossini Alves Couto, na Boa Vista. O evento, promovido pelo Sindicato dos Servidores do Ministério Público de Pernambuco (SINDSEMPPE) e aberto a toda a população, tem como principal objetivo ampliar a capacidade de reflexão sobre a valorização do trabalho e proporcionar o nivelamento do pensamento crítico dos servidores, tendo em vista o movimento contrário que está sendo projetado em todo o país com a substituição do concurso público pela contratação através da criação dos cargos comissionados.

Na ocasião, os convidados Alberto Ledur, presidente do Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Rio Grande do Sul (Simpe-RS) e coordenador executivo da Federação Nacional do Ministério Público (FENAMP), e Roberto Véras, professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), falaram um pouco sobre “A prática sindical e as políticas de trabalho no SIMPE-RS” e “A contestação social, as relações de trabalho no setor público e o sindicalismo”, respectivamente.

Em sua exposição, Ledur criticou a Reforma Trabalhista enfatizando que esta será um duro golpe à classe trabalhadora, sobretudo pelo forte crescimento das terceirizações que irá promover uma mudança radical nas relações de trabalho no serviço público. Falou também da importância de se defender o concurso público como forma de ingresso no serviço público para garantir a qualidade dos serviços prestados à sociedade. Enfatizou o trabalho que tem feito frente à presidência do Sindicato onde, por mais de cinco anos, atua confrontando e questionando a gestão do MP acerca do conflito de atribuições entre efetivos e comissionados. Segundo ele, o Simpe-RS ajuizou uma Adin por meio da Associação Nacional dos Servidores do Ministério Público (Ansemp) que está em tramitação no Supremo Tribunal Federal. Além disso, o Simpe-RS também tem um forte trabalho de fiscalização do contrato dos terceirizados onde é exigido o cumprimento de todas as regras com vistas a impedir o conflito de atribuições.

O sociólogo Roberto Véras fez uma abordagem geral sobre o padrão das relações de trabalho em nível mundial mostrando como as novas configurações impactam no país. Falou sobre as mudanças no modo de contratar e como a flexibilização implica no aumento da informalidade. “A flexibilização é uma tendência mundial, porém com configurações que se adaptam a cada lugar. É um novo padrão de gestão empresarial onde os trabalhadores precisam cada vez mais do emprego e os empregadores incorporam cada vez mais tecnologia. É a flexibilização do sistema produtivo”, enumera.

O ciclo de debates integra o projeto de formação do Sindsemppe e será continuado ao longo do segundo semestre deste ano, com discussão de temas que estão na pauta da campanha de lutas, a exemplo do assédio moral no serviço público e a democratização do Ministério Público. Na programação, também estão previstas sessões de cineclube e uma oficina de formação crítica sindical com o objetivo de fomentar uma identidade de classe.

 

 

 

Compartilhar: