Cineclube exibe longa que lança luz sobre a violência dos discursos banais do machismo

No próximo dia 27, às 14hs, no auditório da Escola Superior do Ministério Público de Pernambuco, em Recife, tem sessão de cineclube com exibição do longa-documentário autoral, Câmara de Espelhos, da diretora pernambucana Dea Ferraz. Após a sessão, os espectadores terão a oportunidade de participar de um debate com a diretora. A programação integra as atividades do mês da mulher promovida pela Escola Superior do Ministério Público (ESMP) e é promovida pelo Sindicato dos Servidores do Ministério Público de PE (Sindsemp/PE).

O filme, primeiro longa documentário da diretora, é construído dentro de uma caixa preta e faz um recorte do discurso masculino banal do dia-a-dia, expondo as violências sutis às quais são submetidas à mulher e sua imagem espelhada pela sociedade. Qual a imagem social da mulher? Como o mundo constrói a identidade feminina? Partindo dessas premissas e dialogando fortemente com o momento sócio-político brasileiro, “Câmara de Espelhos” joga luz nos discursos subliminares das rodas masculinas e reposiciona a violência implícita que as palavras carregam. Funcionando por meio de um dispositivo específico, uma caixa preta mal acabada com regras e modus operandi próprio, a obra propõe uma reflexão a partir de uma imagem-símbolo que desvela sentidos, falas e microespaços de poder.

“Câmara de Espelhos para mim, foi a possibilidade de me entender enquanto mulher neste mundo e, mais do que isso, é a possibilidade de jogar luz nesse discurso masculino subliminar que parece invisível e que, tantas vezes, deixamos passar porque ‘não parece tão grave’; mas que quando olhados de perto e numa grande tela ganham a real dimensão de suas violências. Discursos naturalizados, que precisam ser problematizados”, aponta Dea Ferraz, que divide o roteiro com a montadora Joana Collier. A produção é assinada pela pela Parêa Filmes, Ateliê Produções e Alumia.

Filme pretende ser instrumento de reflexão e debate sobre o mundo em que vivemos

O longa é rodado na cidade do Recife, Brasil, porém o que parece local torna-se universal porque a temática do machismo, das relações humanas, das disputas de gênero, das construções sociais, dialoga com o mundo. Convidados a participar de um “jogo” em que, espontaneamente, emitem suas opiniões e reflexões dentro de uma sala de estar rodeada por uma caixa preta, 13 homens, divididos em dois grupos, participam de uma conversa informal que remete a uma mesa de bar tipicamente masculina, também com suas regras, formatos e discursos pré-estabelecidos. A partir da relação “personagem-personagem”, sem a participação efetiva da diretora e mediante apenas a instrução sonora, os homens interagem entre si e comentam a exibição de vídeos sobre os mais diversos temas, desde aborto, passando por sexo e casamento até violência.

Graças ao aspecto aberto do dispositivo, o documentário trouxe nuances e expectativas inesperadas. “Não há nenhum contato dos homens com a direção. E o fato de termos as câmeras “escondidas” – eles não sabiam a posição específica de cada câmera, mas sabiam que estavam sendo filmados – causou um deslocamento de atuação que gosto muito. Eles atuam entre si, uns para os outros, mais do que para as câmeras objetivamente”, antecipa Dea. “Imaginava que seria difícil trazer à tona esse discurso naturalizado do machismo para dentro de uma sala cheia de câmeras e com o consentimento dos personagens, mas a sensação que tenho é a de que o machismo está tão intrinsecamente internalizado na sociedade, que os homens muitas vezes nem se dão conta do que dizem. O que vi e vivi foi muito mais forte do que esperava”, revela.

Sobre a diretora: Dea Ferraz é realizadora pernambucana e atua na área do audiovisual há mais de 15 anos. Com curtas, médias e longas em sua trajetória, entre eles “Alumia” (2009); “Sete Corações” (2014); “Câmara de Espelhos” (2016), e “Modo de Produção” (2017), Dea é também sócia-diretora da Párea Filmes e integrante do MAPE – Movimento Mulheres no Audiovisual PE. Teve filmes exibidos em festivais importantes do circuito nacional como Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Janela Internacional de Cinema do Recife, Panorama – Coisa de Cinema (BA), ForumDoc (BH), Olhar de Cinema de Curitiba, Mostra Tiradentes, além dos latino-americanos como Santiago Alvarez, (Cuba); Contra el Silencio todas las Voces (México), DOCSDF (México), entre outros.

 

SERVIÇO 

CINECLUBE SINDSEMPPE

Filme: Câmara de Espelhos

Debate com a diretora Dea Ferraz

Dia: 27 de Março (Terça-feira)

Horário: 14hs

Local: Auditório da Escola Superior do Ministério Público de Pernambuco – Rua do Sol, 143 – 5º andar – Ed. Ipsep – Santo Antônio – Recife/PE

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar: