Nota do Sindsemppe sobre o tratamento isonômico entre promotores de justiça e servidores

O Sindsemppe protocolou o ofício 26/2020, em 07/04/2020, solicitando ao Procurador-Geral de Justiça tratamento isonômico entre promotores de justiça e servidores, no que se refere ao deferimento de adiamento do gozo de férias/licença prêmio. Passados 30 dias, permanecemos sem qualquer resposta.

Há uma tentativa de agendamento de reunião com o Secretário-Geral, por meio de teleconferência, para tratar desse assunto e de outros de interesse da categoria, diante das grandes dificuldades decorrentes da pandemia de COVID-19.

O Sindicato acredita que o entendimento da gestão está equivocado, pois tanto servidores quanto promotores de justiça, estão sofrendo com o isolamento social na mesma intensidade e, é justo, para ambos, que possam gozar de suas férias/ licença prêmio, após esse período conturbado que nos encontramos.

A grande maioria está trabalhando em casa, alguns expostos à doença, trabalhando presencialmente. Todos tendo que acumular de forma mais exarcebada os serviços domésticos, cuidado com as crianças que não estão tendo aulas presenciais, entre tantas obrigações rotineiras, que no contexto atual tomam dimensões ampliadas.

A previsão de férias existe para que o trabalhador possa descansar não só fisicamente, mas também, mentalmente. Nos encontramos expostos à grande estresse emocional e, a perda do direito de gozar férias posteriormente, aumenta o nível de estresse dos servidores de forma considerável.

Isolamento social não é férias, é tempo de angústia, incerteza, cuidados com a saúde individual e coletiva, necessidade de permenância nas residências, sem alternativa de viagens, passeios com a família, enfim, descanso merecido pelo trabalho prestado com comprometimento e dedicação.

 

Manteremos a categoria informada.
Juntos somos fortes.

 

Compartilhar: